segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Somos feitos de carne, mas temos de viver como se fossemos feitos de ferro

O titulo deste post é uma frase feita, mas que é muito real nos dias que correm.
Hoje infelizmente testemunhei um episódio nada feliz mas que retrata isto mesmo.
Trabalho na têxtil, que é um mundo de cão. Os níveis de ansiedade estão sempre no máximo, os níveis de stress igualmente o que muitas das vezes pode ter um desfecho menos bom.
Hoje, uma fornecedora teve um ataque de ansiedade na empresa onde trabalho. Não foi um ataque de ansiedade considerado normal. Foi um ataque de ansiedade que a fez ter 4 convulsões em que se revirou, arqueou, esperneou, e quase asfixiou.
Foi um ataque de ansiedade que nos fez, a nós que a assistimos até á vinda dos bombeiros e da Vmer, ter medo de a perder naquele chão onde se contorcia.
O corpo dela mostrou-lhe que estava a ceder.
E é nestes momentos que eu paro e penso a quem ritmo vivemos a nossa vida? Que direito temos nós de permitir que a nossa carreira profissional nos deixe assim?
Eu própria já tive ataques de ansiedade, quer por motivos pessoais, quer por motivos profissionais. A sensação é horrível e nunca cheguei ao ponto que hoje vi.

É tempo de parar, de repensar e re-planear a vida. Afinal somos feitos de carne, não de ferro.