sexta-feira, 30 de junho de 2017

Podemos parar, por favor?

Já é velha a história de que nós mulheres somos sempre más umas para as outras.
Por muito que me custe reconhecê-lo não há mais nada a fazer. É verdade. Somos mesmo.
Exemplo disso é a polémica que está instalada entre a Carolina Deslandes e a Maya. Isto porque a Carolina teve a coragem - porque é preciso tê-la - de se mostrar em roupa interior 1 mês depois do nascimento do 2º filho.
A Carolina mostrou-o para que se pare com aquilo que depois dessa publicação aconteceu.
A Carolina foi criticada por uma mulher porque ao fim de 1 mês o seu corpo ainda não recuperou da gravidez do seu pequeno Benjamim.

Eu não sou mãe, ainda, mas já lidei com algumas grávidas. Muitas delas tiveram a felicidade de voltar rapidamente ao corpo que tinham, outras nem por isso. Cada corpo é um corpo, cada mulher é uma mulher.
Porque é que teríamos todas de voltar ao corpo que tínhamos rapidamente? Porque é que a sociedade tem de olhar de canto e apontar o dedo a quem não o consegue com tanta facilidade?

A Carolina teve duas cesarianas num espaço de 11 meses - disse ela. O corpo dela está a demorar a ir ao sitio. Desde que isso não interfira com a saúde dela, qual é o problema?
Ninguém tem de ser igual a ninguém e é importante relembrar que a nossa liberdade termina quando invade a do próximo. Ora, ao opinar como opinou a Maya está a invadir a liberdade da Carolina em deixar o seu corpo levar o seu tempo.
Possivelmente não correu para o ginásio para o corpo ir logo ao sitio,mas... isso é uma opção dela certo??

Que este exemplo sirva para pararmos um bocadinho e pensarmos em como somos evasivas e preconceituosas umas com as outras. Como muitas das vezes criticamos sem pensar se vamos magoar ou deitar abaixo.

Quanto à Carolina, parabéns pela coragem!!





parar