segunda-feira, 24 de julho de 2017

Sobre o saber-se estar nas diversas situações da vida!

Escrevo este post porque tenho assistido a algumas situações que me fazem ver que muitas pessoas da nossa sociedade ainda lidam ao status

Como assim Catarina?

Então é assim, como algumas de vocês devem saber eu sou licenciada, contudo não estou a exercer a minha licenciatura. 
Com a falta de trabalho que vi na minha área quando acabei o curso comecei a trabalhar numa empresa têxtil como assistente comercial. Passados 3 anos "subi" de assistente comercial para comercial. 
Tal como eu, muita gente se viu obrigada a por de lado o seu curso e agarrar-se as oportunidades que iam surgindo. 

Mas quando se aceita um emprego em que a nossa licenciatura não nos é requerida por assim dizer, temos que nos lembrar que não podemos depois andar a apregoar aos sete ventos que somos licenciados e que por isso não fazemos isto e aquilo. 

Vi isto acontecer há uns dias aqui na empresa. Uma colega que se recusou ir ajudar na produção quando por falta de pessoa era necessário. Os argumentos usados eram os de que isso não estava no contrato dela, que ela era mestrada e pós-graduada e que se recusava a fazê-lo. 


vida



Fiquei triste quando vi isto, porque dentro de uma empresa devemos lutar todos pelo mesmo sob pena de se algo falhar falha para todos. 

É neste ponto que acho muitas vezes que o povo português falha. Veste-se pouco a camisola das nossas empresas. Claro que sei que há muitos patrões oportunistas e que exageram no que pedem aos funcionários, mas eu vejo pessoas que e se recusam a ficar mais 10 minutos para acabar um trabalho sem que o patrão pague a mais. 

As vezes é preciso dar um bocadinho mais de nós, nem que seja só por responsabilidade própria. E acreditem que muitas das vezes é isso que traz o retorno depois. Já vi bem de perto pessoas serem muito bem sucedidas porque no inicio da carreira não tiveram medo de ficar mais uma hora ou vir mais cedo. 


E vocês, qual é a vossa opinião sobre isto?
Partilhem comigo.