quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Porque Sonham...

Sabes, a vida às vezes não é tão linear como julgamos que é. 
Quantas vezes vemos de fora?
 Quantas vezes opinamos sem de nada saber como se fossemos donos de certezas inalteráveis?
Quantas vezes apontamos sem ver que na mão em riste temos algo que aponta para nós. 
Quantas vezes calçamos os sapatos dos outros?
Quantas vezes vestimos a pele com história de quem está ali? Que luta contra algo, que tentar chegar a algum lugar.
Que tenta passar por um caminho mais justo sem se magoar, mas sem mexer nas pedras do caminho. Porqueaté elas podem sentir. Sabemos lá nós.

Quantas vezes sonhas em silêncio, sem que esses sonhos ganhem voz.
Quantas vezes lhes permites que ganhem vida?
Quase nunca não é?
Porque muitas vezes ouvimos que sonhos são sonhos, e que nós vivemos é a vida real. 

Pudessem esses sonhos tornar-se vida e não seriamos se calhar mais felizes?
Quantas vezes por dia dás por ti a viver a vida que sonhavas ter? 
E quantas vezes a vives naquele mundo dentro de ti e só aí?

Sonhar é um risco. Que poucos se deixam correr. 
Porque sonhar dá asas, mas também dá trabalho. Dá medo. Dá ansiedade. 
Quantas vezes sentes o coração bater quando te atreves a sonhar?

Quantas vezes dizes, se eu pudesse, se eu tentasse.
E se fosse?
Se calhar aqueles que apontamos são os que se atreveram a viver o sonho. O deles. Seja ele qual for. 
Se calhar aqueles que criticamos tiveram a coragem que não tivemos. 
Foram tontos, insános, loucos. 
Mas foram eles.
Por inteiro.
Porque arriscaram ser. Sentir o coração bater, muitas das vezes fora do peito. 
Porque ainda hoje sentem. 
Porque são. 
Porque sonham.
Sem ser em vão.